Os eléctricos estarão em breve nas vossas garagens ?

Tagged: 

  • Os eléctricos estarão em breve nas vossas garagens ?

    Posted by Paulo Monteiro on Setembro 7, 2021 às 4:23 pm

    A resistência aos modelos eléctricos está a perder força dia a dia, e mesmo muitos adeptos fiéis dos motores térmicos já começam a refletir melhor sobre a nova tecnologia.

    E por aqui, já estão a preparar vossas garagens para carregar vossas viaturas ou nem pensam sobre isto por enquanto ?

    Carlos respondeu há 2 anos, 9 meses atrás 7 Membros · 6 Respostas
  • 6 Respostas
  • Nuno Poço

    Membro
    Setembro 7, 2021 às 4:54 pm

    Acho q toda a gente de uma forma geral pensa nessa possibilidade, pelo menos durante o processo de compra de carro. A questão principal continua a ser a autonomia dos carros associada às limitações na infra-estrutura de carregamento. Mas acho q estamos a um passo de uma inversão definitiva no paradigma. E a mobilidade suave vai ter uma palavra importante para o dia-a-dia.

  • Catarina Resende

    Membro
    Setembro 7, 2021 às 5:01 pm

    Por aqui é um caso a pensar seriamente quando chegar o momento de ter que comprar um novo carro. Até lá, estou a preparar a minha garagem para manter o meu Fiat 500 o máximo possível e combiná-lo com uma trotinete elétrica para pequenas deslocações.

  • Excluir Membro

    Membro
    Setembro 8, 2021 às 4:09 pm

    Espero bem que não.
    Sou uma pessoa que gosta de conduzir, que gosta de uma caixa manual e de um carro que faça barulho. Eléctricos não entram no meu léxico, principalmente enquanto continuarem a ser pouco práticos: tempos de carregamento, escassez de postos, autonomia (essa até está a melhorar), etc.
    Não é, claramente, o meu género de carro.

  • Pedro Fernandes

    Membro
    Setembro 9, 2021 às 5:17 pm

    Sim, um elétrico estará em breve na minha garagem tal como tem estado desde 2016.

    Comprei o meu primeiro elétrico com muito custo, foi o elétrico mais barato que consegui encontrar em todo o mundo, comprei nos EUA, via internet, um Nissan Leaf com bateria de 24kWh.

    Era um carro com 3 anos, já tinha alguma degradação, ainda assim serviu-me bem durante 3 anos, vendi-o com 100km de autonomia.

    Durante os 3 anos que o tive apenas tive de trocar a bateria de 12v e um tubo do AC, antes de o vender.

    Na altura os carregamentos públicos eram grátis portanto gastei ZERO em combustivel quando viajava de Lisboa para o Porto ou de Lisboa para Monte Gordo.

    Os carros elétricos têm muito menos partes móvei do que um combustão pelo que as revisões nem sequer são necessárioas por isso gastei ZERO em revisões, apenas gastei para substituir a bateria de 12v e o tubo do AC.

    Graças à poupança que o carro me proporcionou, já não tive de recorrer a atitudes extremas para fazer um upgrade.

    Troquei com alguma facilidade o Nissan Leaf 24kWh por um Nissan Leaf 40kWh.

    Esta mudança mais que duplicou a autonomia que tinha, tornando assim as viagens Lisboa – Porto e Lisboa – Monte Gordo muito mais agradáveis. Alem disso, possibilitou viagens a locais onde era impossivel ir com uma autonomia de apenas 100km, como, por exemplo, fazer a viagem Lisboa – Torre da Serra da Estrela.

    Entretanto, porque a poupança continuou nos 2 anos que tive o Leaf 40, troquei o Nissan Leaf 40kWh por um Kia e-Niro 64kWh, mais uma vez, duplicando a autonomia que tinha antes.

    Agora faço Lisboa – Porto ou Lisboa – Monte Gordo sem precisar de carregar.

  • Excluir Membro

    Membro
    Setembro 10, 2021 às 11:35 am

    Já está e não me arrependo nada. Não havendo orçamento para um VE com uma bateria de elevada capacidade, optei por um BMW i3 rex, que me resolve o problema das viagens mais longas que faço esporadicamente (2% da utilização).

  • Carlos

    Membro
    Setembro 16, 2021 às 9:08 am

    O meu problema é mesmo o carregamento na garagem. Vivo num prédio em que as garagens são em box, mas com energia comum do condomínio e aparentemente sem espaço suficiente nas tubagens para passar o cabo de energia eletrica do meu aprtamento para a garagem. Que empresas oferecem soluções não dispendiosas para estes casos? Como se garante a maioria necessário para aprovar a obra de adaptação num condomínio?